13 novembro, 2013

RESENHA: Cidades de Papel

Ola galera!
Trago a vocês hoje uma nova resenha!
Cidades de Papel - John Green!

Sinopse: O adolescente Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnifica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Ate que em um cinco de maio que podia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja , convidando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, e claro, aceita.
    Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da tao enigmática Margo tonou-se um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava conhecer.








Este livro, eu comprei no impulso junto com As Vantagens de ser Invisível. Nem cheguei a pesquisar sobre ele, ou realmente entender do que se tratava. Por eu já ter lido A Culpa das Estrelas, do mesmo autor, o John Green - e me apaixonei, coloquei todas as minhas expectativas nisso e acabei levando o livro.
Porem, não foi aquela coisa marcante o livro.

O livro conta a historia de Quentin, ou simplesmente Q. Um garoto que esta quase se formando que antes, quando criança era super amigo de sua vizinha, Margo Roth Spiegelman. Mas depois de um acontecimento, os dois se distanciam e viram apenas colegas de classe. E ai que começa a historia. Neste acontecimento.
O livro e separado em três partes.



A primeira parte foi super viciante e divertida para mim. Realmente achei que o livro iria alcançar todas as minhas expectativas e fui lendo e viciando e acabei a primeira parte em menos de um dia. Nesta primeira parte, vai contar sobre a noite de aventuras de Margo e Quentin, já adolescentes, que muito estranhamente aconteceu. Já que os dois mal se falavam. Também apresenta ja todos os personagens e suas características, como Quentin, que e um adolescente normal que quer muito ir para a faculdade e adora sua rotina. Margo, a garota misteriosa em que Q e obcecado. Ben e Radar, os melhores amigos de Quentin. Ben e basicamente o comediante do livro. E o que faz todas as piadinhas etc, e Radar e aquele cara que, e engraçado mas serio ao mesmo tempo, e e super nerd.
A segunda parte, minhas expectativas começaram a descer e eu comecei a desacelerar o processo de minha leitura, já não estava mais assim tão viciante. Estava muito enrolado, parada a historia. Deixou entediante. John Green não conseguiu me prender nesta segunda parte da historia. Eu estava louca para saber as pistas, o que elas significavam, onde Margo estava etc, mas tudo estava tao parado e lento que, por mais que eu estivesse morrendo de curiosidade em saber como tudo aquilo iria dar, eu não conseguia ler rápido esta segunda parte do livro.

Ele e narrado em primeira pessoa, ou seja, o Quentin que esta contando tudo. E teve pistas que eu juro que consegui decifrar mais rápido que o próprio, e quando ele decifrava, eu confirmava que eu estava certa, então foi muito cansativo.
Mas, eu continuei.
A terceira parte, por mais que eu estivesse já cansada de ler o livro, eu comecei e as minhas expectativas começaram a subir de novo, foi super divertido e engraçado, e eu comecei a devorar o livro novamente. 
O final foi incrivelmente previsível, a meu ver, eu já conseguia ver o que iria acontecer, mas mesmo assim foi interessante.
Achei também o livro muito - tipico fictício - não sei se me entendem. Coisas, falas, atos que os personagens de mundos fictícios vivem fazendo, vendo que John Green pode não ter dado um toque realista a historia.

O livro vem com metáforas e frases  incríveis que eu realmente amei, e consegui me identificar com um personagem, a Margo, que e sonhadora e gosta de certas coisas que eu não vou mencionar se não e spoiler, que eu também adoro. E isso foi um incentivo a eu continuar a ler o livro e adora - lo.


Mas realmente, não foi um livro que me marcou tanto assim como A Culpa e das Estrelas, do mesmo autor, e me fez desanimar para ler os outros dele como "Quem e você, Alaska" e o "Teorema Katherine". Mas eu vou lê-los. - ouvi dizer, e li, que "Quem e você, Alaska" e muito bom - E um livro legal, mas não e AQUELA COISA!
Recomendo pra quem esta procurando uma leitura mais light, só para ler de bobeira mesmo, e se divertir. Nota 8!

E isso pessoal!
Espero que tenham gostado, e volto ainda hoje com a tag, porque hoje e quarta!!
Bjss!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo